A Supresa e A Decepção

A Surpesa: Japão

Não foi nenhuma surpresa de cair o queixo o Japão chegar às semifinais. O “sorteio” dos grupos já mostrava que o caminho não era tão complicado.

Surpresa mesmo foi conseguir ser medalhista, vencendo as favoritas norte-americanas, depois de tantos anos fora da elite do vôlei feminino.

***************** 

O regulamento sempre ajudou as japonesas, mas elas não tinham força o suficiente para brigar com as outras equipes. Se agora a gente nota tanto os benefícios do regulamento é porque o time japonês cresceu e tem qualidade para incomodar as principais seleções.

O Japão mostra um jeito de jogar admirável. E não falo da técnica que por si só já é digna de aplausos. Mas do comportamento. 

É um time que sempre respeita o adversário, não o subestima. Mais: é persistente, compenetrado e não desiste nunca. O que o torna também extremamente irritante de se jogar contra.

***************** 

A Decepção: Estados Unidos  

A concorrência foi grande, mas tive que escolher os EUA simplesmente porque chegaram como favoritos ao título (e com razão) pelo que recém tinham apresentado no Grand Prix.

No balanço final contabilizaram derrotas para as principais seleções: Itália, Brasil e Rússia. Pra completar, perderam para o Japão e tiveram que se contentar com o 4º lugar.

***************** 
Antes de começar o Mundial, cheguei a escrever que seria interessante ver como as novatas da seleção norte-americanas iam se comportar num campeonato de maior importância. 

Hooker se saiu bem, Larson teve altos e baixos, mas foi a levantadora Alisha Glass e a central Akinradewo que mais sentiram o peso da competição. McCutcheon teve que lançar mão da experiente e fofinha levantadora Lindsey Berg na semifinal e na disputa do terceiro lugar. 

***************** 
Mas nem com a experiente Logan Tom os EUA puderam contar. Ela deve ter feito um dos seus piores campeonatos, apesar de ter recebido o prêmio de melhor recepção. 

Ela que é sempre um destaque positivo no ataque, no saque e fundo de quadra desta vez foi presa fácil para o bloqueio adversário e irregular no passe. Pra quem já viu tantas vezes a Tom carregar a seleção nas costas ou conferiu o desempenho dela nas últimas Olimpíadas, ficou decepcionado com este Mundial.

Comentários