Capitã Lins

 
O Zé Roberto escolheu como capitã da seleção feminina a levantadora Dani Lins. O treinador declarou que “este é o momento de dar uma responsabilidade maior para a Dani”.

Não imaginava que ele fizesse esta escolha, nomear como capitã uma das novatas. Muito menos a levantadora, que já carrega o peso de comandar o time campeão olímpico no lugar da Fofão e que ainda está em busca de se firmar entre as titulares. É claro que dá pra entender as intenções do Zé, está testando como a Dani lidará com todas as funções e responsabilidades.

****************************
 
Provavelmente essa posição de capitã passará por outros nomes antes de termos alguém definitivo como a representante do grupo. Ainda assim, penso que faria mais sentido que, num primeiro momento, o “bastão da capitania” fosse passado para alguma das mais experientes, entre Fabiana, Sheilla ou Mari. Só a responsabilidade de ser a levantadora titular da seleção já era suficiente para Dani Lins.
 
O Zé ainda acrescentou: “Já tive atacante como capitã, mas sempre que posso opto pela levantadora.”. Curioso. Não me recordo qual foi o treinador (terá sido o Bernardinho?) que falou exatamente o contrário. A levantadora já tem responsabilidades demais. Se puder, é melhor evitar que a ela também assuma o papel de capitã.
 
Bom, cada um com suas razões...

****************************


Quero agradecer a todos que, apesar do atraso das atualizações do blog, continuam visitando, deixando seus comentários e nos informando sobre as novidades do mercado de transferências. Ultimamente está difícil postar regularmente devido a compromissos de estudo e também aos poucos acontecimentos do vôlei. Por isso, peço desculpa e paciência pra quem gosta de acompanhar o blog! Lembrando que aqui será sempre um espaço aberto para quem quiser deixar sua opinião!

Comentários

Anônimo disse…
Para mim, O Zé bebeu algumas e neste momento resolveu escolher a capitã. É somente a segunda convocação dela em 5 anos e na primeira ainda saiu brigada com ele. Não entendo o Zé e também não vejo características de capitã em Lins, que para mim o primordial seria ter o respeito das demais, e com seu histórico não acredito nisso. Portanto, creio que não dará certo e vá mudar já para o Grand Prix. Tenho medo de ele não ter posto a Fabiana por ela ser a escolhida do Bernadinho no Rexona. E Mari e Sheilla, apesar de eu gostar muito delas e de terem anos de seleção, acho que não foram escolhidas por causa do burburinho que existe em torno delas. Mas veria a Mari capitã como uma coisa boa, pois seria um desafio para ela, que teria que tentar ser mais comunicativa, menos explosiva e estar sempre concentrada, assim, todos ganhariam com isso.

Ana
Edson disse…
Sinceramente, pra mim, capitã não é tão importante. Fofão tinha o "tracinho" abaixo do número e não exercia liderança alguma. Tinha o posto por uma questão de hierarquia. Mesmo sem a Lins ter anos de seleção, não vejo problema nisso. O que pode acontecer é ela ir mal e ser substituída. E capitã no banco é, no mínimo, contraditório.

O Zé é o tipo de treinador que não gosta de dar "moral" para as estrelas do time, no caso hoje, Mari, Sheilla e Paula quando voltar. E a melhor forma de frear isso é dando o posto de capitã a levantadora.

Quando saiu a convocação da seleção, eu e uns amigos comentávamos sobre a Lins e falávamos sobre sua semelhança técnica e pessoal com a Fernanda. No fim todos apostaram: "ela vai causar na seleção". Pelo visto, estávamos certos. Ela teve um espelho e tanto, cabe a ela discernimento pra copiar as coisas boas e não repetir os erros. Sorte pra ela.

Alguém tem notícias da Paula? Se ela tá bem e tal. Nunca mais vi comentários sobre ela.

Uma pena tantos times estarem saindo da Superliga, espero que novos entrem. Se não tetremos muitas jogadoras desempregadas.

Sobre as atualizações, o Papo de Vôlei é mais atualizado que os blogs da globo e UOL juntos. Tá tudo certo.
Anônimo disse…
Também acho que Zé é do tipo que não dá moral para as estrelas do time, como Sheilla , Mari e Paula. Mas, então que desse o posto de capitã para a Fabizona. Seria mais coerente.
Anônimo disse…
Não tenho nada contra a uma levantadora ser capitã, a Lins tem uma qualidade q encaixa no perfil, q é o auto-controle, isso eh importante pois só a capitã pode se dirigir ao juíz e eh preciso ter calma nessa hora, se for "esquentadinha" acaba q o time leva um cartão amarelo, mas outra função da capitã eh motivar e puxar ou acalmar o time, mas essa função pode ser delegada a uma outra jogadora, porém acho q quebrar a hierarquia pode ser complicado pois a função também diz respeito a liderança, e p/ ter liderança eh fundamental ter experiência, meu voto p/ capitão ainda iría pra Sheilla.

Ps: Se ela fala bem inglês é também um ponto a mais.

Crowley.
Anônimo disse…
Pessoal, qero comentar 2 pontos:

1 - Sobre qem é o q num grupo.

Cada técnico tem sua linha de raciocínio portanto, ZR considerou o lhe convém e assim decidiu.

Lins é levantadora e ZR, como Bernardo e muitos outros técnicos, as/os preferem p/ tal.

Ele mesmo, qdo jogador, foi capitao.



2 - Me preocupa a SNM infanto-juvenil.

As coisas sempre tiveram certa ordem e nomes p/ cada 1 das atribuicoes, pois bem, desde q Marcos Lerbach assumiu novo cargo na SNM adulta, seu posto ficou vago, passando ás maos de Percy Onken.


Ora, qlqr resposta a essa virada (q nao engulo), contradiz ao q se passou do lado feminino, qdo Wadson Lima faleceu (infelizmnete, e era meu amigo pessoal).
Tudo foi arranjado de maneira q, cada categforia, continuou tendo técnico próprio etc e tal.

Agora ele, Percy, acumula os cargos de técnico das SNM infanto e juvenil.

Nao concordo c/ isso, mesmo conhecendo o sistema usado no lado masculino, das categorias de base da CBV.

E aqí vejo 1 problema sério, q pode nos causar dramas no futuro: a falsa idéia de "modernidade" q, neste caso, significa "tamanho é documento".

Em 1ro lugar, acho q nossos técnicos estao focados em estatura e potencia de ataqe, dando aos outros fundamentos o carater de "detalhes importantes", mas nada tao concentrado, se comparados a estas 2 caracterísitcas tecnica e biofísica.

Venho percebendo nossos atletas tendo qeda em técnica - como se a regra fosse: "de p... o mais q puder e bloqeie tudo q der ..."

Ok, é apenas ilustrando o q NAO concordo, q uso tal frase, tentando passar a idéia vigente.

Assistí aos 2 últimos Camp. Mundiais das 2 categorias e, entre outras coisas q nao gostei, foi exatamente isso.
E me preocupa essa qeda acentuada da qualidade de MUITOS atletas.

Afirmo, qualidade técnica.

Outro erro estratégico, é levarmos nossos meninos á Europa (no meu caso, trazerem), prá "rodar e dar + experiencia".

Nao gosto disso.

Se fosse assim tao bom, eles viriam até nós (barateando custos) e teríamos os mesmos resultados.

Nossos atletas estao sendo estudados desde muito cedo, e sendo devidadmente "marcados".

E isso por gente séria e extremamente comeptente.

Já imaginaram se o JAP e a CHN tivessem q fazer o mesmo, c( o mesmo pretexto)?

Entendo q viajar é necessário, mas a coisa nao me agrada, qdo a vejo em prática: muita folia, pouco aprendizado.

Espero estar errado, e lá se vao alguns anos onde observo tais fatos.

Enquanto isso, do lado feminino, as coisas estao mais corretas ... acreditem.
Anônimo disse…
Oops ...

Me esqecí de assinar,

Inté,
Mg
Kay disse…
Também achei esquisitíssima essa escolha da Dani Lins pra capitã. Acho que o Zé Roberto sabe o que faz, e imagino que tenha pensado em dar moral à Dani, que vai ter que levantar pras olímpicas sendo que é novata, ou semi-novata.
Na minha opinião, ele poderia ter esperado mais um pouco pra fazê-la capitã, e o posto poderia ter ido pra Sheilla ou Fabizona, já que Fabizinha não pode ser. Já a Mari, não vejo como sendo capitã, pois acho que ela se abala muito fácil quando as coisas não estão indo bem. E no caso da Fofão, discordo que ela não exercia liderança. Ser líder não é só gritar dentro de quadra, é muito mais que isso. E pelo que nós vemos as jogadoras falando, ela era líder dentro e fora de quadra, com sua experiência e calma.
Anônimo disse…
Gente, essa história de que Mari e Sheilla fecharam com a Blausiegel por um milhão por temporada, é verdade? Alguém sabe...

Acho que a Lins será uma boa capitã. Não tenho nada contra ela ser a escolhida. Se fosse Mari, Sheilla ou Paula, não aguentaríamos os fãs delas brigando pq uma não foi escolhida e a outra sim. Melhor que seja a Lins.

Até que enfim saiu uma nota sobre a Paula, parece que ela está se recuperando bem, mas deve ficar fora do Grand Prix. Parece que a Jaque também tá com um problema físico e provavelmente, também ficará fora do GP. Medo...

Por fim, Montreux começa dia 9 com transmissão do Sportv, espero que as novatas se dêem bem.

Mário, RJ.
Anônimo disse…
Rapaz, um milhão? Eu achava que a Paula já recebia essa quantia no Finasa na temporada passada, porque diziam que ela era a jogadora de vôlei mais bem paga e etc...

De qualquer forma, parabéns para a dupla porque é um salário para ninguém colocar defeito. Quem me dera ganhar uma graninha dessas.

Acompanhei a notícia da Dani Lins nesses dias. Primeiro como capitã, o que eu não vejo ser algo extraordinário porque é uma mania do Zé colocar as levantadoras como capitãs.

Agora dizer que a Dani Lins pode ser "o coração e a alma do time", rapaz, isso me fez engasgar. Não que ela não possa ser, mas é que não paro de pensar no que o Romário disse uma vez: "mal chegou e já quer sentar na janela".

Dani Lins não é capitã nem do clube que ela defende! Vai saber.

De qualquer forma, dia 9 está quase aí e vamos poder dar uma boa olhada nessa nova/velha seleção, uma vez que novidade pra valer é a Dani Lins na titulariedade. Que cadência essa seleção terá agora?

Logan
Anônimo disse…
Isso sem contar que lí no inside volley que Aguero que jogava na Turquia ganhava 750 mil dólares e a Sheilla tinha sido supostamente chamada para o seu lugar por míseros 700 mil dólares, que contando por baixo daria uns 1,4 milhões de reais.
Ela não tá mole não né. Mas se é realmente verdade só Deus, ela e seu empresário sabem.
Anônimo disse…
Então calculemos: 700 mil dólares divididos por 445 pontos = 1.573 dolares, que equivalem nada menos ao custo de R$ 3.146,00(reais) por ponto feito na superliga, isso sem precisar passar nem defender!
Anônimo disse…
Jogar em time de baixo nível técnico em contrapartida tem vários fatores negativos; a jogadora fica sobrecarregada ( a bola só vai ir p/ ela), o risco de contusão vai ser maior, principalmente, se o passe e o levantamento forem ruins, e o nível técnico individual da jogadora tende a cair se nivelando com o grupo. Nao acho q seja uma boa oportunidade pra quem pretende continuar na Seleção, talvez p/ aquelas q ja tenham desistido ou sido dispensadas. Quem já jogou na Turquia foi Marcia Fu quando deixou a seleção.
A Mari não tem perfil de capitã, é centrada, pouco comunicativa e explosiva!
Espero que a Lins e a Tieme incorporem o espírito de seleção brasileira, em Montreux todos os olhos estarão de focos nas duas e na selção ranking nr 1 do Mundo, lá só se fala na volta do Brasil pro torneio, muita responsabilidade desde já pras duas levantadoras.

Crowley.
Anônimo disse…
Não sei se essa história de 1 milhão procede, mas que ela tiveram um belo aumento, isso tiveram. A única coisa que tava faltando pra que elas ficassem, já que elas queriam ficar, era o aumento. E como elas ficaram, subentendesse que o aumento veio. Também vi/li/ouvi que a Paula ganhava 1 milhão, agora dúvido que algum time do Brasil venha a pagar novamente isso por ela, ou seja, o jeito é ela ir pra Rússia. Isso se quiser ganhar o mesmo. Se não for orgulhosa, aceita uma bela redução de salário, fica no Osasco, é vice mais um ano e tá tudo certo.

Só tá dando Lins... kkkkkkk O céu é o limite pra ela agora. Capitã, titular, aparecendo direto na TV, recebendo elogios... Deus queira que o sucesso não suba a cabecinha dela.

PC
Anônimo disse…
Claro que a Mari não tem perfil de capitã, nem eu queria que ela fosse. Já falam da mulher mesmo ela não jogando nada, quinando... Imagine se ela fosse capitã, seria insuportável. Até o número da camisa que ela vai usar vira motivo de discussão.

E o pior que ela ainda ganha uma nota pra ser o centro das atenções. Deus é mais! rs.
Anônimo disse…
Fabizona, é ótima motivadora, puxa o time, mas tem sangue quente e esses juízes sao complicados, por sinal, Fabizona foi uma das poucas q evoluiu seu jogo após o ouro em Pequim, a medalha deu uma injeção na sua auto-confiança, jogou muito na SL.
Anônimo disse…
Estou torcendo para Tiemi tombar a Lins. Sou brasileiro, mas cheiro que Lins parece ser uma nova Venturini. Sei lá!
Anônimo disse…
O q qer dizer tombar?

Sou licenciado internacionalmente em volleyball e falo/escrevo/leio/compreendo 8 idiomas, e jamais lí/ouví este termo.

O q isto qer dizer? É algo importante ou apenas outra idiotice desnecessária?

Ou, q me perdoe o ANONIMO (sem qerer ofender, craro), é alguma piada ou sarro c/ a Venturini, ou, sei lá ... o q isso qer dizer?

Francamente, nao entendí, e espero q alguém me ajude.

Inté,
Mg
Anônimo disse…
"Tombar", digníssimo colega frequentador do blog, na gíria do vôlei significa, dentre outras coisas: 'derrubar', 'causar mais'... no caso especifico acima quis dizer que ele(ou ela), deseja que a Tiemi consiga a vaga de titular, e não a Lins.

Com todo respeito, qualquer pessoa que frequenta blogs, orkut, foruns... sobre vôlei, sabe o que isso significa. Se é idiotisse ou não escrever "tombar", eu não sei. Só sei que todos nós somos idiotas em potencial, ninguém está a salvo. Você que sabe/lê/escreve em OITO idiomas, deve ter perdido o bonde da modernidade. Se não entender, eu explico depois.

Abraço, Gabriel.
Anônimo disse…
Caro Gabriel,

Obrigado pela resposta.
De agora em diante, vou me relacionar c/ qlqr técnico, atleta e/ou dirigentes dizendo q, se algum atleta superar outro, ele/ela terá "tombado" o/a concorrente.

Vivendo e aprendendo, mesmo q futilidade pública.

Qto ao tal bonde, nao sei se perdí alguma coisa mas, cá entre nós ... ORKUT?
Nao é aqele instrumento da web, nem tao público assim, q está sob severa investigacao internacional, por já comprovado envolvimento c/ pedofilia, e agora até c/ tráfico de drogas, entre outras coisas?

No mais, tenho certeza de q vc nao é o GZL, o Gabriel c/ qem mantenho ótimo relacionamento, via email + fone + msn ... certamente q nao.

De qlqr maneira, en gang til, obrigado pela resposta, mesmo q nao me acrecente nada tal termo.

Nao tenho onde nem porq usá-lo, mas estarei sempre atento, qdo de novo aparecer.

Inté,
Mg
Anônimo disse…
Não concordo com vc dessa vez...
Eu acho que a escolha de capitão foi muito bem feita,pq na verdade todas as outras titulares são como capitãs para o time. É um voto de confiança na Dani. Geralmente a levantadora já é capitã automaticamente...
Não achei errado não..
continue atualizando =)
Anônimo disse…
A propósito:
QUE BOM SE A DANI LINS FOR A METADE DO QUE FOI VENTURINI.
Afinal,insuportável ou não,ela foi uma das melhores na posição. Isso todos já sabemos... E olha que eu não gosto nem um pouco dela! Tomara que a Dani,que gosto muito, dê conta do recado e seja tão brilhante quanto a Ventutu... É só não cometer os mesmos erros...