Ainda o Finado Finasa

 
Estão surgindo notícias (ou seriam boatos?) sobre interessados na estrutura e nas jogadoras do Finasa. Podem haver diversas sociedades esportivas e clubes interessados, mas sem patrocínio não vai dar em nada.
 
A pergunta é: qual seria a empresa que no cenário de crise atual assumirá o risco de investir no vôlei? Mesmo com toda a grana possível, a Blausiegel não irá ser tão imprudente investindo no esporte quando todas as outras empresas seguem o sentido contrário.

***************************
 
O Zé Roberto, numa entrevista ao site Melhor do vôlei, confirmou que as negociações com a Blausiegel estão adiantadas. Menos mal. Assim, teremos ainda duas equipes fortes para disputar o título da Superliga
 
Vamos esperar o desenrolar de todas essas histórias...
***************************


Pessoal, coloco aqui uma matéria da Gazeta Mercantil sobre a debandada dos patrocínios de Finasa e Brasil Telecom. Prometo que neste fim de semana vamos discutir a convocação da seleção!


Fim de clubes faz vôlei rever patrocínios

Nelia Baldi


Dois dias depois de perder o título da Superliga de Vôlei, no sábado passado, Paula Pequeno - eleita a melhor jogadora de vôlei feminino das Olimpíadas de Pequim - amanheceu sem emprego. Ela não foi a única. Carol Albuquerque, Sassá e Thaísa - também campeãs pela seleção brasileira nos Jogos de Pequim - e todo o time da Finasa/Osasco sofreram com o mesmo problema. Motivo: o clube que defendiam foi extinto.
 
O projeto tinha 20 anos e, em oito participações na competição, o time conquistou três títulos e cinco vice-campeonatos. Para especialistas, o fim do patrocínio da financeira do Bradesco demonstra a necessidade de se repensar o modelo de negócio dos times. Um dos fatores que desestimulam os patrocinadores é que algumas emissoras de TV se recusam a falar o nome completo das equipes - quando embutem a nomenclatura do patrocinador - durante as transmissões esportivas. Com menos visibilidade, as companhias podem optar por não renovar os acordos.
 
"Essa história se repete e deve servir de alerta", diz José Carlos Brunoro, presidente da Brunoro Marketing Esportivo. Para analisar o caso, ele relembra times que marcaram época, como a Pirelli e Atlântica/Boa Vista, protagonistas do vôlei nos anos 1980. Segundo ele, o modelo atual de patrocínio nasceu com essas duas equipes. Durante um bom tempo, as TVs citavam os patrocinadores, algo escasso nos dias de hoje. "Os patrocinadores da transmissão começaram a reclamar que as empresas apoiadoras dos times tinham mais destaque. Mas esquecem que, se não houvesse time, não haveria transmissão". Renato Chvindelman, sócio-diretor da Arena Marketing Esportivo, lembra que, com o modelo atual, talvez seja mais interessante apenas comprar a cota da transmissão.
 
Para Rafael Plastina, diretor de marketing da Informídia Pesquisas Esportivas, o modelo ideal passa por um contrato que defina o que, quanto e por quanto tempo será o patrocínio. "Lá fora começa assim, existe uma previsão", afirma. E acrescenta que, no atual sistema, na hora do "file mignon" (exposição na TV), só se ouve o nome da cidade, e não de quem banca o time. Ele acredita que existam brechas para outras negociações. Brunoro acrescenta que as confederações precisam encontrar um modelo, e cita o patrocínio do Açúcar União, em São Caetano do Sul, que durou três anos. "Ele era pontual e a modalidade não deixaria de existir porque tem o investimento da Prefeitura".
 
Os analistas são unânimes em afirmar que o reflexo do fim do patrocínio é pequeno sobre a marca Finasa, mas muito maior para o esporte. "O que pode gerar má interpretação para a marca é o momento do anúncio. No caso do Finasa, feito logo após a derrota", afirma Plastina. Já Brunoro acredita que o grupo Bradesco sofreria um revés de imagem se fosse um "oportunista que não atuasse na área de esportes".
 
Por meio de sua assessoria de imprensa, a Finasa informou que o fim do patrocínio ao time adulto - os projetos sociais e a categoria de base continuarão a receber apoio - foi uma decisão da diretoria do banco. Informou também que metade do investimento no projeto - eram no total R$ 12 milhões - era viabilizada por meio de incentivos fiscais. "Ainda não sabemos o valor que será aplicado na categoria de base e nos núcleos de formação", diz Benedito Crispe, ex-supervisor do Finasa/Osasco.
 
Outro time em situação semelhante à do clube paulista é o Brasil Telecom/Brusque. A equipe foi dispensada no dia 16, depois da disputa pela 3ª colocação na Superliga. O supervisor da equipe, Marcelo Garim, diz que, desde a fusão da Oi/Brasil Telecom, não há posicionamento sobre a continuidade ou não do patrocínio. Procurada, a empresa limitou-se a confirmar o fim do patrocínio.
 
Harry Bollmann, supervisor da equipe Rexona-Ades, diz que a Unilever garantiu o patrocínio até o fim do ciclo olímpico (2012/13) e que, ano a ano, o valor do acordo é negociado.
 
Em nota, o presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, lamentou a extinção dos times do Finasa/Osasco e da Brasil Telecom, "mas não vê motivos para qualquer tipo de pânico em relação à sobrevivência da competição, ao desemprego das atletas e de um possível efeito dominó que possa vir a oferecer um risco ao vôlei brasileiro". Ele diz que novos patrocinadores estão em negociações para participar da próxima edição do torneio.

Fonte: Gazeta Mercantil/Caderno C, Pg. 8

Comentários

Anônimo disse…
Acho lamentável que para o vôlei ter espaço e consideração da mídia foi preciso acontecer uma "desgraça": o maior time precisou ser extinto para as pessoas finalmente começarem a falar do esporte, ficar cientes do problema.

É preciso encontrar soluções atraentes para o patrocinador, mas ao mesmo tempo também é fundamental pensar em alternativas e outros modelos para o vôlei brasileiro, adaptar modelos de organização estrangeira, de gestão, enfim, tudo que possa gerar estabilidade para o campeonato e para os atletas.

Mas o "sangue" já escorreu, não é mesmo? Na minha opinião, o Bradesco saiu mal nessa história porque foi aquele que provocou a crise. A imagem ficou a pior possível. A CBV sai mal porque chovem artigos condenando tanto a postura da entidade quando da Rede Globo.

A Globo em si, mal se altera. Na verdade ela não está se lixando.

Ah sim, e como não poderia deixar de ser, já surgiram as "prefeituras" e seus respectivos dirigentes que já enxergaram a oportunidade eleitoreira de "Vamos salvar as atletas do Finasa/Osasco". Aí salva uma temporada (com direito a atraso de salários) e extigue na próxima.

A Blausíguel já vê a oportunidade de sair bem na foto com a aurea de "salvador" porque já joga matérias anunciando o aumento de suas cifras. Vem um Miguel Angelo, que até tem boa vontade, mas se sabe que transferir um time inteiro daqueles para o Botafogo com um patrocínio qualquer e pouca estrutura é complicado. E como o Zé alertou, vai aparecer um bando de oportunista com postura de salvador.

Difícil né?

O que acho é que ainda há muita água para passar debaixo da ponte. E que talvez, com todo pensamento positivo, essa crise possa servir para haver mudanças na política da CBV em relação a SL, contratos e também no modelo de transmissão.

Logan
Anônimo disse…
Logan.

Neste paeqeno parágrafo, vc sintetisa a cag... geral, e, nao há muito o q resmungar:

"Na minha opinião, o Bradesco saiu mal nessa história porque foi aquele que provocou a crise. A imagem ficou a pior possível. A CBV sai mal porque chovem artigos condenando tanto a postura da entidade quando da Rede Globo."

Sim, o modelo está se superando, ficando caduco, as partes estao monolíticas e qem perde? o Volleyball brasileiro.

Mas, como sempre acontence, a feniz renasce e teremos bola rolando.

Nao é q milagres acontecerao, nada disso, mas a bola nao cai.

O Bradesco fez o sabe: usar e abusar das pessoas, qlqr pessoa, usando o dinheiro como referencia.

Der Göbbels?
Bem, a qto tempo venho martelando essa canalha emissora q, por ter nascido no crime e da barriga da ditadura, o q se pode esperar?

Tio Arí?

Vc e outros sao testemunhas de minha antipatia pelo dito - como administrador e como Pres da CBV.

Nessa qímica infernal de coisas ruins ... Osasco rodou, e seus fans froam tratados como idiotas.

Enfim, a história mostra q, no andar da carruagem, as abóboar se acomodam.

E eu espero q prá melhor.

ZR de volta ao Brasil?

Complicado afirmar isso. Ressindir contrato na Zooropa é coisa séria, qdo nao é o clube qem o faz.

Mas, se vier, mais q bem vindo.

Essa lorota de reduzir investimento do Rexona ... mentira.

É justamente prá evitar empresários tentando faturar após mais 1 título.

Pelo contrário, acho q se armarao de melhores atletas.

Blausigel?

Olha, depois do q fizeram c/ o Rizola, nao merecem meu respeito.
Tudo, vindo deles, cheira a incopetencia.
Como já afirmei,. essa mesma eqipe, nas maoes de Brenardo e Cia ... estaria seria a dona do título.

E é só.

Inté,
Mg

Ps.: já te passei a resposta, via email. Fiqe ligado.
Anônimo disse…
Bem, depois de confirmado o "retorno" do Finado Finasa, c/ tudo e todos em seus devidos lugares, inclusive L. Omar (prá desespero do Gabriel), só temos mesmo é q rir.

Do outro lado do Atlantico, Giba vai de mal a pior.

Jgou muito mal, outra vez. 3 pontos, e de ataqe.

Nada mais. Tem gente mais q irritada c/ o baixíssimo retorno dado pelo brazuca, q custou os tubos.

Inté,
Mg
Anônimo disse…
O pior do retorno "com o rabo entre as pernas" do bradesco (por causa da imagem ruim que passou) foi o retorno do luizomar... justo aquele que não se faz a menor questão!

mas não posso deixar de dizer que apesar de decepcionado, estou feliz.

mas o que temo é que com esse retorno, as pessoas possam começar a achar que está tudo bem e as mudanças que poderiam surgir, não apareçam tão cedo.

sobre o Giba, dizem que ele é o jogador mais caro do mundo. é verdade? não sei se o cara vale mais tudo isso não... idade... articulações já desgastadas... gente nova chegando e atropelando... talvez a insatisfação seja algo bom. te faz tomar um banho de realidade.

Logan
Anônimo disse…
ôôôôô nosso freguês voltooou

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

que bom!!!!! que lindo!!!
tomara que as campeãs olimpicas fiquem por aqui mesmo \o/
Anônimo disse…
Bom, dizem que é quase certa a volta do Finasa.(espero q sim), infelizmente o L. OMAR ficou, fazer o q? Amanhã tem o tão esperado encontro em Osasco, caso tudo seja resolvido. Temos que acabar com o monopolio da globo.

Zé de volta? sei não. Isso me cheira á uma mini seleção em São caetano, e se o finasa voltar mesmo, corremos o risco de ficar em terceiro.

Torço para que thaisa, Natalia e Tiemi saiam das garras de L. Omar.
Anônimo disse…
Esqueci de assinar

Gabriel de Jesus
Anônimo disse…
Quero ver o "amor" da Paula pelo Osasco se diminuirem, como parece que vão, seu milionário salário pela metade. Ela e claro todas as outras.

Acho que a torcida está cobrando uma gratidão que apenas Paula, Adê e Carol devem ter, porque são do clube a anos. As outras se receberem propostas melhores tem todo direito de sair e com a cabeça erguida. Se a Blausiegel oferecer uma boa grana a Thaísa vai rapidinho e está certa.

No fim das contas, se o Finasa voltar mesmo, acho que vale a frase "a males que vem pra bem". Todos os fãs de vôlei se uniram nesse episódio, reinvidicaram melhorias e talvez surta algum efeito. Nunca o vôlei foi tão midiatico do que agora. Infelizmente no Brasil as coisas funcionam assim. Foi preciso um grande clube ameaçar sair para o vôlei ser debatido.

Presidente da Blausiegel: "o retorno da equipe superou nossas expectativas". Porque será? rs. Se esse cara tiver mesmo visão ele mantem as estrelas, contrata o Zé e mais algumas atletas, finca raiz no vôlei e vai lucrar muito com isso.

Pedro.
LaCauda disse…
Que bom q o Osasco continua. Mas começaram mal mantendo o Luizomar... Enfim, vamos ver qual será o nível de time que conseguirão formar. O certo é que as jogadoras selecionáveis vão ter mesmo q baixar seus padrões de salário. Acho que Thaísa e Paula serão nomes difíceis de se manter pq a concorrência será grande de outras equipes.

Logan, é mesmo. Só pela crise é que o vôlei ganha tanto espaço na mídia.
Edson disse…
Já que tudo está de resolvendo na Superliga, vamos de vôlei, ao menos internacional, enquanto a temporada da seleção não começa.

Estão rolando as semifinais do campeonato italiano em melhor de cinco jogos. A primeira semi tem o favorito Pesaro contra o surpreendente Busto Arsizio da levantadora Fernandinha. O Pesaro já venceu dois jogos por 3x0. Está a uma vitória da final. Destaque como sempre para a dupla pesarista Costagrande e Skowronska. Na outra semi temos o copeiro Bergamo contra o bom Novara. No primeiro jogo o Bergamo abriu 2x0 mas permitiu a virada, no segundo jogo ocorreu o contrário, o Novara briu e permitiu a virada. A série tá 1 a 1, com chance de classificação para ambas. Destaque para o bom momento da levantadora Feng e da Paggi, já no Bergamo Picci voltou a jogar muito. Ortolani continua inconstante mas fazendo muitos pontos. Aposto no Bergamo para termos uma final equilibrada, se o Novara passar o Pesaro é campeão facilmente.

O campeonato russo encaminha-se para uma final entre o Dinamo de Gamova, Gioli, Goncharova... contra o Odintsovo de Sokolova e Walewska. Acho que o primeiro ganha.

Na Turquia o time da técnica Lang Ping segue rumo ao título, facilitadas pela derrota do favorito Istambul de Neslihan, Grun e Nikolic, nas quartas.

Veremos quem serão os campeões mundo a fora...
LaCauda disse…
Edson, valeu pelas atualizações!

O tempo corrido não me permitiu escrever sobre o campeonato italiano e principalmente do surpreendente Busto Arsizio na semifinal.

Se a final for entre Bergamo e Pesaro, vai ser sensacional. Pesaro venceu a Copa Itália em cima do Bergamo que, por sua vez, eliminou o time do Zé na Champions. Vai ter gosto de revanche.

Pena que esses jogos não são transmitidos ao vivo pela Bansports...
Anônimo disse…
No fim das contas, se o Finasa voltar mesmo, acho que vale a frase "a males que vem pra bem". Todos os fãs de vôlei se uniram nesse episódio, reinvidicaram melhorias e talvez surta algum efeito. Nunca o vôlei foi tão midiatico do que agora. Infelizmente no Brasil as coisas funcionam assim. Foi preciso um grande clube ameaçar sair para o vôlei ser debatido.

CONCORDO

mas também acho que fizeram mal em manter o Luizomar...
se o time perder algumas jogadoras,como eu acho que vai acontecer,vai ficar pior ainda na SL.Afinalse com um timasso qu eteve na ultima temporada nã deu jeito,imagine agora!
Paula com certeza sai.
Anônimo disse…
O Luizomar só é tolerável nesse momento porque é preciso dar mão palmatória. O cara gastou saliva e sola de sapato para tentar salvar o time. Ele correu atrás para manter a equipe.

O Bradesco sartou fora mesmo. Isso já está confirmado.

Pra mim, a Carol Alb deu um golpe de mestre ao ser a primeira a assinar contrato. Ela está lá para dizer que "acreditou", vai jogar camisa, vai pra galera, dizer que é time do coração... vai virar heroína, a jogadora símbolo e vai fazer um puta marketing pessoal. Ela já não tem mais nada a perder mesmo, o Zé disse que ela está fora desse ciclo olímpico... e vai que o novo esquema do Osasco (sim, porque agora é esse o nome do time com a saída do Bradesco) sobreviva além dessa temporada e se firme? A Carol Alb vai se fazer! Vai capitaniar o negócio. O Luizomar agora tb será gerente... vc acha que a Carol Alb não vai ter uma boquinha a mais?

Quem vai ficar mal é a Paula Pequeno se não renovar e assinar com outro time brasileiro. Se for pra fora, nem falo nada, mas se for para um Unilever ou o Sanca... a galera vai cair matando. E mercenária para baixo. Já Thaísa e Sassá nunca tiveram vínculos. Vão pra onde for mais interessante.

Quem parece que está voltando para o exterior é a Sheilla. A questão é se ela for, a probabilidade de levar a Mari na bagagem é grande e abre-se duas vagas de "estrelas" em Sanca. A Fofão pode se aposentar também. Daí, acho que o azulão absorve o que foi o Osasco com Paula, Sassá e Thaísa. Coisa que a prefeitura e o grupo de empresários (quem são afinal?) talvez não consiga cobrir.

E aí? Alguém sabe como anda a movimentação na Unilever? Pinheiros? E o Makenzie/Cia do Terno? Qualé do time "de camisa" que será aberto em Minas? Alguém?

A propósito, alguém leu as declarações da Fernandinha a respeito da convocação? Aluna no Romário essa baixinha.

Logan
Anônimo disse…
Acho que a Sheilla (consequentemente a Mari) não vai pra Europa. O patrocinador quer revonar e ela deve aceitar. A Fofão também deve renovar.

Acho que quem tá meio mal é a Paula. A saída dela é ir para o exterior, mas pra onde? Rússia seria péssimo para seu jogo. Na Itália todos os times grandes já tem ponteiras... se ela decidir trocar o Osasco por um time nacional será execrada pela torcida. Injustamente, diga-se de passagem. Todos sabemos que ela é grata ao clube, a torcida... mas ela tem que procurar o que for melhor pra ela. Pena que os torcedores não entenderão.